Quem somos

babel

BABEL, a nossa BABEL, não é uma torre. É um quadrado. Os critérios que conduzem a quadratura deste projecto são a unidade orgânica, a ambição na missão, a exigência na execução e a inovação na estratégia. BABEL, sendo uma unidade orgânica de nove chancelas, não é um grupo, é uma realidade única e singular. BABEL é o lugar onde se faz aquilo em que se acredita fazendo bons livros que sejam livros bons. E onde se acredita que há sempre uma forma de melhorar aquilo que se faz.

 

guimaraes

Fundada em 1899, compreende no seu vasto espólio editorial traduções de autores como Tolstoi, Cervantes, Baudelaire, Victor Hugo, Zola, Dumas, Goethe, Balzac, Gorki ou Voltaire. Em 1952, com a publicação da colecção Filosofia & Ensaios, é pela primeira vez disponibilizado aos leitores portugueses os grandes nomes da filosofia e do pensamento ocidentais como Aristóteles, Platão, Nietzsche, Kierkgaard, Maquiavel, Heidegger ou Comte. A presente vocação da Guimarães divide-se em duas grandes linhas editoriais; a filosofia e o ensaio e a publicação de obras completas de autores maiores da língua portuguesa como Agustina Bessa-Luís ou Jorge de Sena.

 

atica

Fundada em 1930 pelo poeta Luiz de Montalvor, a Ática rapidamente se afirmou no panorama editorial português pelo aparato gráfico das suas edições e pela criteriosa selecção de títulos. Editora exclusiva de Fernando Pessoa desde 1942 até à sua entrada no domínio público, foi a Ática a editora responsável pela divulgação nacional e internacional da obra de Fernando Pessoa. Tem no seu catálogo autores como Mário de Sá-Carneiro, Padre António Vieira, António Nobre, Camilo Pessanha, Cesário Verde, Bernardo Santareno e Oscar Wilde.

 

verbo

Com mais de cinquenta anos é uma das maiores editoras portuguesas. Criada por Fernando Guedes, instituiu-se como baluarte de ensaística, editando não só obras enciclopédicas como títulos de referência no seu universo específico.

 

ulisseia

Fundada em 1948, tem uma história longa no universo da ficção e da poesia. Tem vindo a recuperar clássicos e a apresentar revelações seguras de Portugal, dos países lusófonos e do estrangeiro. Sob o primado da excelência.

 

athena

A Athena recupera a designação da histórica revista de arte dirigida por Fernando Pessoa e Ruy Vaz. Almada negreiros foi não apenas o autor do logótipo que se associa à chancela, como também colaborador da revista, a par do próprio Fernando Pessoa, de Mário de Sá-Carneiro, António Botto e Luiz de Montalvor, entre muitos outros. O universo abrangente da arte e das suas mais directas relações e articulações tem lugar na Athena – do património artístico à criação contemporânea, das artes visuais às artes performativas; à arquitectura, ao design, ao cinema e à moda.

 

k4

Poderia dizer-se que K4 O Quadrado Azul foi apenas um folheto de Almada Negreiros; mas quem o dissesse não perceberia que cada folheto de Almada é um pedaço de génio impresso. Este novo quadrado apresenta-se evidente na BABEL. E é nele que se depositam os livros que queremos no nosso bolso mais interior, sempre colados ao coração. Um formato único para livros únicos.

 

centauro

Revista simbolista-decadentista dirigida por Luiz de Montalvor, com um único número publicado em 1916. Como o cavalo ou como o homem, este Centauro cavalga com projectos especiais em mente, galopando ao ritmo das oportunidades que forem surgindo fora das livrarias.

 

arcadia

Bastante activa entre os anos 60 e 80, a Arcádia afirmou-se como uma editora importante no panorama editorial do século xx em Portugal. Renasce em 2010 para ver os seus livros serem lidos por um público ainda mais vasto.

 

pi

São 3,14159265 e mais ainda, que Pi tem mais números do que as estrelas que há no Universo. Por isso é a editora para os mais novos, que são tantos neles como a esperança que têm de crescer a ler bons livros.